20.1.18

RESENHA: A GAROTA QUE EU QUERO - MAKUS SUZAK




Em Março do ano passado, eu estava na biblioteca procurando algo para ler. Tomei coragem e escolhi A menina que roubava livros. Eu já queria lê-lo à muito tempo, porém nunca tive ânimo pois todo mundo dizia que era muito triste, tipo o irmão dela morria e tudo mais. Mas, o meu fascínio pela 2 guerra mundial foi maior que o medo e eu li. Foi uma das melhores leituras que eu já havia feito sem dúvida alguma. A história era incrível, mas o que mais gostei de tudo foi a maneira que o autor escrevia. Era diferente de tudo que eu já tive contato, só pra você ter uma ideia, a narradora oficial da história é a Morte.

Pois bem, terminei o livro com a certeza de que queria ler mais daquele autor (Markus Zusak), porém depois, eu nunca mais busquei nada sobre ele. Simplesmente me envolvi com outras leituras e esqueci de procurar. Foi então que, no meu aniversário, em Agosto, minha amiga, que não sabia de nada disso, me deu um livro desse mesmo autor. Chama-se A garota que eu quero. Fiquei muito feliz, ela nem sabia que eu já queria!!



A garota que eu quero é o último livro de uma trilogia (só fiquei sabendo depois que li). Os livros anteriores a esse também foram lançados no Brasil pela editora  Bertrand e o último foi publicado pela Intrínsica. Acho que por isso muita gente toma contato com o último livro achando que se trata de um volume único como foi o meu caso. De modo geral, consegui entender a história, mas mesmo assim, saber sobre esses livros antigos foi necessário para ter uma conclusão fechada sobre todo o enredo.

A história gira em torno de Cameron Wolf, um garoto tímido, quieto e solitário que busca, quem sabe um dia, amar alguém e ser correspondido. Já seu irmão mais velho Rube é bem diferente dele. Rube é um daqueles caras que cada semana está com uma nova namorada, bastava um sorriso e ele conseguia qualquer uma que quisesse. E é ai que entra a Octávia, atual namorada de Rube. Ela era diferente pois, ao contrário  de todas as outras, Cameron gostava dela.  É a única de todas que Rube já namorou que o tratava bem, como se ele não fosse o perdedor que todo mundo enxergava.





Pois bem, solitário como era, Cam gostava de ficar andando pelas ruas da sua cidade até chegar a casa de Staphanie, um amor não correspondido. Uma vez em frente a sua casa, ele ficava lá observando e esperando. Esperando que talvez ela olhasse, saísse e fosse encontrá-lo do lado de fora, mas ela nunca o fez. Então, um dia após seu término com Rube, Octávia foi atrás de Cam e pediu para que ele a esperasse por ela ,em sua casa.  Ele ficou meio atordoado no momento, mas então ele entendeu e ai os dois começaram a ficar juntos.

Apesar de tudo isso, Rube não se chateia com Cam. Na verdade ambos possuem uma relação muito boa. São aquele tipo de irmãos que estão sempre juntos se apoiando e tudo mais. Todos os dias eles saem com o cachorro do vizinho para passear. Aos sábados, vão ajudar o pai encanador no trabalho. E, quando Rube foi chamado para brigar na rua com um cara que implicava com ele por causa da nova namorada, Cam estava la para ajudá-lo.



“EU NUNCA A VIRA SORRIR DAQUELE JEITO QUANDO ESTAVA COM O RUBE, E TORCI PARA SER UM SORRISO QUE ELA NUNCA TIVESSE DADO A NENHUM OUTRO SER VIVO.”





De início quando lemos a sinopse do livro, imaginamos que se trata de um romance. Sobre Cameron finalmente encontrando seu amor porém, o livro não se trata apenas disso. Quando eu o terminei achei meio sem sentido. Já no começo do livro, Cameron e Octávia estão juntos e ai você espera por algo extraordinário para acontecer, mas ai nada acontece.

Pesquisando um pouco sobre o livro antes de escrever essa resenha eu descobri sobre os anteriores a ele e descobri também que esses abordam o relacionamento dos dois irmãos. Só então entendi. O livro fala sobre a amizade dos entre Rube e Cam. Quando olhamos por esse ângulo tudo faz sentido. ambos são realmente muito amigos. Eles estão ali um para o outro. Um pelo outro.




Rube e Cam, apesar de não terem muito em comum são muito ligados. Estão sempre juntos conversando e se entendendo. É algo muito agradável de se presenciar. A maneira como um ampara o outro. Como um admira o outro.

Além disso, um dos pontos que mais me chamam a atenção nos livros do autor como eu já disse é a narrativa. Mais uma vez, Markus Zusak consegue colocar ordem nas palavras de maneira extraordinário. Entre um capítulo e outro existem fragmentos de poemas que o próprio Cameron escreve. Nunca fui boa com poemas e isso foi um ponto desagradável para mim, só pra mim, mas não foi um grande empecilho. Eu nunca consigo entender, mas acredito que muita gente vai gostar. Fora isso, a leitura flui maravilhosamente bem de maneira rápida e gostosa.







No momento em que fechei esse livro eu não fiquei muito satisfeita com a história. Parecia faltar algo. Mas agora tudo faz sentido e consigo enxergar como tudo foi incrível...

Enfim, obrigada por chegar até aqui♥




ALL THE LOVE ♥

13.1.18

6 COISAS APRENDIDAS EM 2017



2017 já se foi, sendo assim o melhor momento pra parar e pensar no que aconteceu ao longo dele. Esse ano me rendeu alguns aprendizados e achei uma boa ideia reuní-los aqui pra compartilhar ou simplesmente registrar. Sei que já estamos no meu de Janeiro mas ainda considero importante postar. São algumas poucas coisas que acabei percebendo sobre mim, sobre a vida e sobre as pessoas.


As pessoas vão pensar de você o que elas quiserem,e não importa o quanto você se esforça para mudar isso
Quantas vezes calculamos as nossas atitudes simplesmente pelo que os outros podem pensar da gente? Deixa que eu respondo: Sempre! A verdade é que muitos ao nosso redor, principalmente aqueles que nunca nem tentaram nos conhecer antes de começar a julgar, já têm uma opinião formada sobre a gente. Tudo o que fazemos pode influenciar esse julgamento tanto para melhor, quanto para pior, e o problema é que muitas algumas pessoas escolhem nos ver pelo pior ângulo. Isso porque elas, por algum ou nenhum motivo, não gostam da gente ou melhor "não vão com a nossa cara".



Aprendi a ficar sozinha e a gostar disso

Se tem uma coisa que eu não suporto nessa vida é ter que depender das pessoas para algo. Tudo bem, eu dependo dos meus pais para sobreviver e tal mas, não é disso que estou falando. Sabe ter que depender de alguém pra fazer alguma coisa que você gosta? Passear, fazer compras, cinema, essas coisas. Ou então depender da companhia de alguém para se sentir bem? É disso que estou falando. Depender de pessoas para ter felicidade é a pior coisa do mundo e esse ano eu aprendi a ser mais sozinha e a gostar disso. Na verdade, sempre fui um pouco só, mas 2017 exigiu um pouco mais disso de mim. Sabe, as vezes algumas pessoas te esquecem e isso pode te deixar mal, mas se a sua felicidade não depende exclusivamente dela isso não importa. E deixa eu te contar, essa sensação de autossuficiência é a melhor coisa do mundo.


Aprendi que não é necessário ser um astrofísico para observar as estrelas e encontrar as constelações
Desde muito tempo, eu sempre gostei de ver as estrelas e sempre quis encontrar e observar uma constelação. Nunca achei que isso fosse possível (achava que precisava de telescópio ou algum equipamento super complexo) porém, esse ano eu consegui. Encontrei o cruzeiro do sul e, desde então sempre venho observando cada vez mais e mais.


Aprendi a dirigir
Essa foi, com certeza, uma das coisas mais importantes que desse ano. Ainda tenho 17 anos mas, ano que vem já tiro minha carteira. E já saber um pouquinho é bem reconfortante.


Não importa o quanto você tente ensinar ou mostrar algo a alguém, ela só vai aprender ou enxergar se ela quiser
Se tem algumas coisa que eu não tenho paciência pra fazer é ensinar algumas coisas, tipo matemática, para alguém que não está disposto aprender.O que quero dizer é basicamente isso só que sem a parte envolvendo números. Sabe aquela pessoa que esta em uma situação onde ela precisa de uma ajuda ou de uma direção? Ai você vai lá e tenta ajudar de verdade. Mas ai, no primeiro momento de alívio, o indivíduo abandona tudo e volta na mesma situação em que estava? Pois é. Acontece que tem gente muito acomodada e que, às vezes, tem que quebrar a cara antes de aprender a lição. Sabe, você se dispõe a ajudar com toygda a sinceridade mas, acaba que todo o esforço, no fim das contas, seja todo em vão.


O amanhã irá trazer os seus próprios problemas
Se preocupar com o amanhã. Quem nunca? O problema é que, se você se preocupa muito com o amanhã, esquece de aproveitar o hoje. Por isso, é muito melhor se concentrar no hoje e agora e deixar para encarar os problemas de amanhã quando eles chegarem. Nem sempre é fácil, mas com o tempo da pra se acostumar com a ideia.
Analisando bem, isso faz muito sentido pois, ás vezes, se focarmos e fizermos o que devemos fazer hoje, talvez os problemas de amanhã nem existam mais. Por exemplo, se você parar de se preocupar se vai passar na faculdade ano que vem e começar a estudar o que precisa agora, o problema de não passar na faculdade daqui a 12 meses nem vai mais existir quando a hora chegar.


Enfim, essa foi a minha lista de aprendizados em 2017. Não sei se fui muito coerente, mas espero que tenham entendido tudo o que quis dizer...

All the love! ♥